terça-feira, 19 de maio de 2009

Palmas de Seda Branca

Conheci
as palmas das tuas mãos. São de seda,
mesmo que agora te pareçam ásperas.
Seda branca, é o que são,
mesmo que te pareçam rubras agora.

Dizes-me
'perdi-me, perdi a paz
que me ditava os passos'.

E eu penso se talvez
te beijasse os olhos
despertasses.
Mas a noite é tua
e seguro em palmas de seda branca
na espera do raiar do sol.

3 comentários:

Priscilla Marchetto de La Rocque disse...

Por acaso entrei no seu blog "Dois dedos de monólogos" e apaixonei-me por suas palavras...

Anónimo disse...

onde estás jazzy_blues?

Ana M disse...

Apesar de reparar que já não publicas nada há algum tempo devo dizer que adoro as tuas palavras*